O site está indisponível

A nossa rede de distribuição não chega ao Internet Explorer.

Aceda com: Google Chrome, Microsoft Edge, Mozilla Firefox ou Safari.

confirmar

Apoio

Atividades em infraestruturas de gás natural

Construção e ligação de imóveis a gás natural

  • Instalações de gás em edifícios
  • Instalação dos equipamentos de queima
  • Instalação de gás (IG)

Generalidades

a) O projeto, a construção e a exploração das instalações de gás combustível canalizado em edifícios habitados, ocupados ou que recebam público e respetivos anexos, desde que a potência instalada, por fogo ou local de consumo, não ultrapasse 70 kW, obedecem à Portaria 361/98, de 26 junho alterada pela Portaria 690/2001, de 10 julho.

 

b) As ampliações e alterações importantes, bem como as conversões ou reconversões de instalações em edifícios já existentes, obedecem à Portaria 361/98,
de 26 junho, alterada pela Portaria 690/2001, de 10 julho.

 

c) As instalações de gás combustível canalizado em edifícios, de acordo com o
art.º 3.º da Portaria 361/98, de 26 junho, são limitadas:

  • a montante, pelo dispositivo de corte geral ao edifício, inclusive;
  • a jusante, pelas válvulas de corte aos aparelhos a gás, inclusive.

Elementos constituintes de uma instalação de gás natural


d) As pressões de serviço normalmente utilizadas pela Portgás são as seguintes:

  • coluna montante: 300 mbar;
  • a jusante do contador: 21 mbar.

e) Quando as potências, por equipamento de queima, forem superiores a 35 kW, a pressão máxima de serviço a jusante do contador deve ser a exigida pelas instruções de funcionamento do(s) equipamento(s) a alimentar (art.º 5.º da Portaria 361/98, de 26 junho).

f) Compete ao projetista a elaboração do projeto das instalações de gás e da instalação dos aparelhos a gás, devendo o projeto ser acompanhado do respetivo termo de responsabilidade do autor, que ateste a conformidade com as normas regulamentares e técnicas aplicáveis (n.ºs 2 e 3 do artigo 5.º do DL n.º 97/2017, de 10 agosto, retificado pela Declaração de Retificação n.º 34/2017 e alterado pela Lei n.º 59/2018, de 21 agosto).

g) O projetista é o profissional responsável pelo projeto da instalação ou das redes e ramais de distribuição de gás e pela definição ou verificação da adequação e das caraterísticas dos equipamentos a instalar (n.º 1 do artigo 32.º, da Lei n.º 15/2015, de 16 de fevereiro), particularmente pelas soluções técnicas adotadas, pelo dimensionamento das tubagens e pela seleção dos materiais adequados, tendo em consideração as caraterísticas do gás a distribuir e a diversidade e caraterísticas dos diversos equipamentos utilizados. Deve, igualmente, considerar a colocação de pontos de abastecimento para permitir ao consumidor final utilizar quer os tradicionais equipamentos, quer novos equipamentos a gás natural, nomeadamente: microgeração, caldeira/esquentador, fogão/forno, máquina de lavar/secar roupa, frigorífico, fogão de sala e pontos de disponibilização de gás (nas bancadas da cozinha).

h) O projetista deverá assegurar que o layout da instalação assim como as caixas de abrigo (pré-fabricadas ou criadas para o efeito) permitem uma operacionalidade eficiente dos equipamentos, nomeadamente as válvulas de corte, os contadores e os redutores, assegurando a acessibilidade aos órgãos de manobra dos redutores e válvulas e à visibilidade do mostrador do contador.

i) Atendendo ao conjunto de edifícios-tipo abrangidos pelo Regulamento de Segurança Contra Incêndio em Edifícios - DL n.º 220/2008 - cujo tipo de risco obriga a dispor de sistema automático de deteção de gás combustível e de sistema de corte automático interligado ao sistema automático de deteção de incêndios - art.º 185º da Portaria n.º 1532/2008 -, o projetista deve ter em consideração a instalação de uma válvula automática normalmente fechada (vulgo eletroválvula), de acordo com o disposto na norma NP 1037-4.

j) O projetista responsável pelo projeto deve elaborar o termo de responsabilidade previsto no n.º 3 do artigo 5.º do DL n.º 97/2017, de 10 de agosto, retificado pela Declaração de Retificação n.º 34/2017 e alterado pela Lei n.º 59/2018, de 21 agosto, anexando-o ao projeto.

k) Compete ao técnico de gás programar, organizar e coordenar, com base nos procedimentos e técnicas adequados, ou de acordo com um projeto, a execução, reparação, alteração ou manutenção das instalações de gás, bem como a instalação, adaptação, reparação e manutenção dos aparelhos a gás, de acordo com as normas, os regulamentos de segurança e as regras de boa arte aplicáveis (n.º 1 do artigo 33.º da Lei n.º 15/2015, de 16 fevereiro).
Nota:  Para informações adicionais consulte o Manual de Especificações Técnicas.

Deverão ser assegurados os seguintes aspetos:

a) a instalação dos equipamentos de queima só deve ser executada por uma entidade instaladora de gás (EI) habilitada para o efeito, pela Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG);

b) não é permitida a instalação de equipamentos de queima do tipo A, desde que as potências instaladas excedam os valores apresentados na tabela 7:

Potências máximas por tipo de equipamento gás natural

Aspetos e distâncias na instalação de equipamentos de queima

Aspetos e distâncias  instalação equipamentos queima gás natural


c) é proibida a colocação de aparelhos do tipo A e B em locais destinados a quartos de dormir e casas de banho;

d) os aparelhos a gás não devem ser instalados em despensas e estacionamentos cobertos (garagens), por não serem locais adequados para a sua instalação;

e) a instalação dos aparelhos a gás, nas diversas frações, tem de respeitar a regulamentação que rege as condições de ventilação, de evacuação dos produtos de combustão e de alimentação de ar comburente. Neste contexto, para garantir o abastecimento dos apartamentos do tipo T0, devem ser aplicados aparelhos estanques (Tipo C), sendo expressamente proibida a instalação de fogões ou de outros equipamentos não estanques.
Nota:  Para informações adicionais consulte o Manual de Especificações Técnicas.

Constituição dos processos para construção/instalação:
Edifício coletivo de habitação, moradia unifamiliar ou pequeno terciário
(potência instalada, por fogo ou local de consumo, ≤ 70 kW)

Loteamento antes da execução da rede de distribuição de gás natural

Urbanização após instalação de gás natural

Nota:  Para informações adicionais consulte o Manual de Especificações Técnicas.

Constituição dos processos para construção/instalação
Loteamento
Rede de Distribuição

Urbanização após a execução da instalação de gás natural

Urbanização após a execução da rede de distribuição de gás natural

Perguntas Frequentes

  • Como posso submeter um projeto para análise da Portgás?

  • Que tipo de projetos devem ser avaliados pela Portgás?

  • No que consiste o sistema de qualificação de materiais?

  • Quais os concelhos incluídos na área de concessão da Portgás?

Também lhe pode interessar

Obras na via pública

Saiba tudo sobre uma obra segura.

Fornecedores

Conheça os requisitos para se tornar nosso fornecedor.

Apoio

Procure aqui a ajuda de que precisa para realizar o seu trabalho.