O site está indisponível

A nossa rede de distribuição não chega ao Internet Explorer.

Aceda com: Google Chrome, Microsoft Edge, Mozilla Firefox ou Safari.

confirmar

Perguntas Frequentes

Como podemos ajudar?

voltar

Como se armazena e transporta o hidrogénio?

As tecnologias atuais permitem armazenar grandes quantidades de hidrogénio de três formas:

  • gás comprimido a elevadas pressões: o armazenamento em alta pressão (200-700 bar) é o método preferencial onde a solicitação de hidrogénio é variável e não muito alta, nomeadamente em unidades de pilha de células de combustível, nos autocarros, automóveis, em habitações, estabelecimentos comerciais e industriais;
  • hidrogénio líquido: a passagem ao estado líquido dá-se a temperaturas abaixo dos -235ºC, podendo ser armazenado em câmaras criogénicas com elevadas capacidades;
  • dissolvido em substâncias sólidas: os hidretos metálicos, os nanotubos e nanofibras de carbono, as microesferas de vido e polímeros (plásticos) permitem o armazenamento do hidrogénio a baixas pressões (< 10 bar).

O transporte de hidrogénio gasoso efetuado por pipelines é semelhante ao usado para a distribuição do gás natural. Um pipeline é uma rede de tubagens que permite a circulação do hidrogénio sob a forma gasosa das instalações de produção deste gás para as indústrias em áreas fortemente industrializadas, bem como em ligações mais curtas entre a produção local e os locais de consumo.


O hidrogénio também pode ser distribuído sob a forma gasosa em cilindros, com pressões normalizadas na ordem dos 250 e 700 bar, ou liquefeito em cisternas criogénicas, sendo posteriormente transportado por via rodoviária, ferroviária ou marítima.

Perguntas frequentes relacionadas

  • A probabilidade de 'falhas de gás' com hidrogénio é a mesma do que com 100% gás natural?

  • Quais serão as vantagens dos novos gases para a transição energética do setor do gás?

  • Os novos gases são mais caros? Qual o impacto na fatura ao fim do mês? Como a posso calcular?

  • Qual será o novo enquadramento regulatório aplicável à transição energética?